Judiciário cumpre agenda de julgamentos apertada, julgamentos vão até 6ª feira.

1
257

Dr. João e Dr. Otaviano no inicio do julgamento   (foto Pbarbosa)
Dr. João e Dr. Otaviano no inicio do julgamento (foto Pbarbosa)

Aconteceu no fórum de Eunápolis o 1º julgamento do ano de 2014 sendo que devido aos feriados normais de inicio de ano, o judiciário tem que acelerar a pauta de julgamentos que vai até 6ª feira 21/03. E no julgamento desta 2ª feira 17/03, como o réu estrava solto e foi convocado via edital, o mesmo não compareceu para o seu julgamento, mas a lei prevê que mesmo ausente ele pode ser julgado e foi o que aconteceu.

Na acusação atuou mais uma vez o Promotor Dr. João Alves Neto, na defesa o advogado Dr. Fabricio Ghill Frieber e na Presidencia do júri, o MM. Juiz Dr. Otaviano Sobrinho.

O réu foi Alecssandro Gonçalves Santos que em 16/06/2003, feriu com 4 tiros, Erinaldo Oliveira Santos  mais conhecido como Luquinha, o fato é o seguinte: Neste dia, Erinaldo e maquis 2 companheiros foi até a residência de Alecssandro comprar drogas na mão de um traficante chamado Déo que era hóspede de família, porém a família de Alecssandro ignorava tal procedimento de Déo, e a mulher de Alecssandro, não gostando,   desacatou todo mundo dando ciência de que ali era a sua casa, casa de família honesta e não tinha traficantes de drogas na residência e que seu marido era um homem trabalhador e não um vagabundo.

Não gostando da atitude da mulher, Luquinha, e seus comparsas, pegaram a mulher pelo cabelo e a arrastaram pela casa, causando ferimentos e hematomas, e depois da barbaridade cometida, Luquinha disse que no outro dia voltaria e acertaria contas com Alecssandro, e foi o que aconteceu, porém Alecssandro sabendo da fama de Luquinha, também se preparou e esperou a bandidagem chegar, no momento da chegada, foi um tiroteio só, e os dois acabaram indo para o HGE e depois de atendidos, foram algemados cada um em sua cama pela PM que atendeu a ocorrência.

Avisada a Policia Civil foi até o HGE e prendeu os dois em flagrante delito, sendo que em sua versão, Luquinha era a vítima, mas depois de uma boa revisão no arquivo, foi que descobriram que Luquinha já tinha várias passagens pela policia como trafico, e ações contra o patrimônio, ou seja, furtos art. 155 do CPB. Foram feitos exames de corpo de delito nos baleados e na esposa de Alecssandro, já que Alecssandro depois de balear Luquinha, acabou sendo baleado 3 vezes pelos dois comparsas de Luquinha e ainda fugiu correndo, como estre fato aconteceu em 16/06 de 2003, o julgamento só saiu hoje 11 anos depois do fato ocorrido.

O júri começou com a acusação fazendo seu papel e no final defendeu a tese de “legítima defesa” praticamente pedindo a absolvição do reú, Dr. João falou sobre o fato dando mostras que Alecssandro é uma pessoa do “bem”, trabalhador e que agiu em defesa de si próprio e do seu patrimônio que é a  família no caso a esposa, e que ficaria com a tese de legítima defesa.

Já o advogado de defesa, também fez muito bem o seu papel e apoiando nas palavras do Promotor Dr. João ele também seguiu o mesmo raciocínio que foi o pedido para que os jurados atendessem o que foi pedido pelo Dr. João.

Foi feita uma parada para o almoço, no retorno todos foram para o andar superior que é onde fica a sala secreta a votação foi feita, e alimentando a tese de legítima defesa, pedida pela Promotoria e pela defesa, os jurados 4 homens e 3 mulheres, o réu, Alecssandro Gonçalves Santos, mesmo ausente, ele foi absolvido.

Mas o que mais chamou a atenção neste julgamento, foi o discurso preliminar da acusação, depois de saudar a todos os jurados, Policia Militar, sociedade presente, fazer menção á imprensa, ao Juíz e ao advogado de defesa, Dr. João falou sobre a situação jurídica do país. Dr. João demonstrou habilidade quando mostrou a todos os diversos tipos de crimes, como doloso, culposo, contra o patrimônio e assim por diante, dando mostras que a escolha é livre e que os jurados deviam fazer valer a justiça pelos seus próprios méritos.  

Dr. João mostrou como funciona um lado da justiça quando o Delegado Coordenador da 23ª CORPIN foi transferido pelo simples fato de ter investigado e prendido o diretor do presídio que há muito tempo já vinha sendo investigado, e que aqui, ele permitia a entrada de drogas no presídio e vendia sentenças de morte, que no caso foram 3 mortes em Eunápolis, segundo informações Dr. João tem, mais de 3 mil horas de gravações sobre o fato, com estas prisões acontecidas em Eunápolis, houve um desagrado a um determinado candidato a deputado federal e que a seu pedido, o Secretário de Segurança fez a transferência, ou seja, quem trabalha de forma honesta, digna, consciente em favor da sociedade, é punido em detrimento á bandidagem que anda solta, e só para completar o próprio governador, não tem dado a
Eunápolis a atenção devida, principalmente no setor de segurança, (matéria sobre isto foi feita pela reportagem do rota51.com, quando a vinda do Governador Wagner na formatura do Pronatec).

Depois Dr. João enfatizou o que está acontecendo em Porto Seguro, quando o prefeito de fato é o que manda e o prefeito de direito apenas obedece, o que para muitos como diz o velho ditado que “um” pingo é letra, dá-se a entender que Cláudia foi eleita e quem manda é Robério, Dr. João, não falaria uma coisa dessas se investigações não correspondessem aos fatos e ainda disse que bandidos são transformados em empregados da prefeitura de Porto Seguro, para que quando existem festas grandes ou acontecimentos de grande porte, a cidade fique calma com as gangs sendo acalmadas pelos empregados da prefeitura e patrões da bandidagem e, que uma distribuidora de cerveja, para fazer entregas no baianão tem que pagar pedágio, senão as entregas não são permitidas pelos fora da lei.

Ao final do julgamento, o Juiz Presidente do Júri Dr. Otaviano Sobrinho, falou sobe a atuação de dois advogados, Dr. Fabricio e Dr. Nilo Carneiro, pois são advogados que deixam seus afazeres e muitas vezes remunerados para atender a seu pedido, dando assistência gratuita a muitas pessoas que não podem contratar um advogado, mas que dentre muitos, estes dois advogados, tem todo o seu respeito e admiração, pois em nenhum momento, eles deixaram de atender ao seu pedido e por isto além do respeito são merecedores de toda a sua gratidão. Dr. Otaviano solicitou um aparte na fala de Dr. Fabricio para falar sobre as necessidades do fórum, o desprezo por quem de direito e o atendimento á estas mesmas necessidades pela prefeitura municipal pelo atual Secretário de Governo Flávio Baiôco que quando solicitado atende aos pedidos de limpeza e outras necessidades mais.

Terminado este júri, o convite é para que a sociedade possa estar no Fórum de Eunápolis amanhã, a partir das 08hs30m, para um novo julgamento e, o rota51.com como tem feito sempre e com total exclusividade, mais uma vez, estará mostrando a toda a sociedade, os acontecimento forenses de Eunápolis.

[nggallery id=100]


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui