Defensoria pública em defesa da mulher vitima de violência domestica é VETADA pelo Prefeito, e a população ainda se Revolta.

5
899

Segundo dados mundiais, o risco de uma mulher ser agredida em sua própria casa, pelo marido, ex-marido, namorado ou companheiro, é nove vezes maior do que a possibilidade de ser agredida na rua. De acordo com levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), 8,5% do total de assassinatos por arma de fogo registrados no país no ano de 2016 fizeram como vítimas mulheres.


A pesquisa indica que, nos últimos dez anos, quase 40 mil brasileiras foram mortas por arma de fogo. O levantamento indica ainda que, na maior parte das vezes, as mulheres são assassinadas em um contexto de violência doméstica, em brigas com o marido ou companheiro, ou quando decidem encerrar o relacionamento.

O que o estudo não aponta é o percentual de mulheres agredidas, mas não mortas, por pessoas com quem mantêm algum tipo de relacionamento doméstico. Ao que tudo indica, a modernização por que passa a sociedade não alcança o intelecto de muitos homens, de todas as classes sociais, que ainda mantêm uma mentalidade arcaica e se sentem senhores de suas esposas, namoradas, filhas, mães e irmãs, como se elas fossem um objeto e não humanas.

De acordo com entidades ligadas à defesa dos direitos da mulher, geralmente a violência decorre de alcoolismo, uso de drogas, dificuldades financeiras, ciúmes e personalidade violenta do agressor. Nenhum desses motivos justifica a agressão. Ninguém é obrigado a conviver com outra pessoa. O diálogo e a separação consensual são meios mais racionais e dignos para interromper um relacionamento. O sentido de viver a dois é a busca da felicidade, que não se instalará num contexto de violência.

É a hora de muitos homens – e mulheres também – compreenderem isso. Os homens precisam entender que suas companheiras possuem as mesmas capacidades e necessidades que eles e, portanto, merecem o mesmo respeito. Para as mulheres, a necessidade é de olhar para si mesmas com respeito ao ponto de denunciar seus agressores e de assenhorear-se de seus destinos. Dessa forma, talvez possamos mudar o quadro de violência doméstica no Brasil e as casas de inúmeras brasileiras se tornem, efetivamente, lares.

OUÇA O RELATO DE UMA MORADORA DE EUNÁPOLIS, EM TOTAL REPUDIO AO VETO EM FACE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA DEFENSORIA PÚBLICA ESPECIALIZADA EM ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA DOMESTICA!

5 COMENTÁRIOS

  1. Em consequência desse veto, penso ser necessária a intensificação da conscientização da comunidade, ou seja, de toda a nossa sociedade; no sentido de optarmos se existe ou não a necessidade de uma defensoria pública p mulheres vítimas de violência… Para que a comunidade possa externar a importância de um atendimento especializado p as mulheres vítimas de violência… O tema precisa continuar nas mídias p alcançar o âmbito popular, p q efetivamente atinjam e mudem a forma de pensar dos nossos gestores, acordando p a efetiva importância do assunto…

  2. Parabens a Jakeline, pois é raro nos dias de hoje os Eunapolitanos se manifestarem ou ate mesmo comentarem os fatos que envolvem o municipio, as mulheres de Eunapolis tem que ir as audiencias da camara municipal de Eunapolis (o palavra redundante), revindicar as necessidades para coibir a violencia contra as mulheres, principalmente as de baixa renda que são as maiores vitimas, necessitando de vozes de pessoas como Jakeline, o Rota 51 tem feito sua parte, levar o que esta ocorrendo de forma transparente e corajosa, falta a secretaria de ação social apresentar a justificativa do lobby junto aos vereadores pau mandados para barrarem o projeto de J Batista, ja que mostro-se uma pessoa competente, em cima de caminhão distribuindo peixe (vale voto) comprado com nosso dinheiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui