ROTA51.COM, mostrando a realidade da estrada da Colônia.

0
668
Dr. Aldo diretor do Dnit, corrigindo algumas informações do rota51.com

Para quem olhar no google maps, vai ver a BR 367 nascendo em Santa Cruz Cabrália e, terminando na cidade de Gouveia em Minas Gerais. E diante desta situação, todo mundo vinha prometendo o asfaltamento da estrada da Colônia sem que este nunca saísse do papel e, mais recentemente, uma emenda do dep. federal Ronaldo Carletto, vinha contemplar a referia via com um pouco mais de 1 milhão de reais, somente para o encascalhamento da via em vias de ser asfaltada e por que não completar com o asfalto, deve ser para depois terem de gastar mais ainda, e onde esta a emenda do dep Carletto? Foi pro brejo é? Nos tempos do perfeito Neto Guerrieri, a transparência era total, tinha até out door nas ruas e a imprensa recebia todo mês as referidas informações, agora chegou a hora da “opacidade” tudo escuro, nublado, opaco, ninguém sabe de mais nada. Estão tentando  apagar o nome de Neto Guerrieri do cenário político eunapolitano, ser prefeito qualquer um pode ser, mas ser um administrador é outra ideologia.

Mas há de se recordar que, um orçamento feito anteriormente, o asfaltamento da estrada da Colônia, consumiria 6 milhões de reais, então como pode um asfaltamento de pouco mais de 6 km ser mais barato do que um simples encascalhamento? Na realidade o que está precisando é de mais transparência nas coisas públicas e não um caixa 2 para campanhas futuras.

Inicio da estrada da Colonia

Mas para saber, o que realmente está por trás da estrada da Colônia, a reportagem do rota51.com esteve na sede do Dnit e conversou com o seu diretor Dr. Aldo Apolônio da Silva e este, não deu uma entrevista, mas sim alguns esclar4ecimentos diante do que lhe foi exposto, sobre tantas promessas de asfaltamento da estrada da Colônia.

A estrada da Colônia consta como sendo a BR357, rodovia federal que só pode ser asfaltada pelo governo federal via Dnit, mas na realidade a estrada da Colônia, foi uma rodovia planejada, e agora depois de uma cessão administrativa, a referida via pode sim ser asfaltada pela prefeitura municipal. Como por exemplo depois das mudanças, a rodovia BR 275 que liga Itagimirim a Salto da Divisa, é federal e já está sendo pavimentada pelo Dnit, a rodovia BR 367 continua sendo a mesma 367 de Salto da Divisa até a cidade de Gouveia em Minas Gerais, ou seja a estrada da Colônia, pode-se dizer, que foi municipalizada até a divisa de Minas Gerais, desta forma as explicações ficam mais fáceis.

Área do Dnit, carros apodrecendo, troca com o município e a real situação.

Outro detalhe, recentemente o rota51.com fez uma matéria, dando conta de que já era há muito tempo interesse do município na referida área, às margens da BR 101, onde a prefeitura, daria construída para as instalações do Dnit e no local, a prefeitura construiria um centro cultural, com concha acústica, uma área para os camelos, local para que jovens e idosos, pudessem passar alguns momentos de lazer com jogos de dama, xadrez dentre outros, mas isto se tornou impossível, já que a Justiça Federal conseguiu para si, mais da metade da área, para construir a sede própria do órgão, já que o local onde está é alugado, e o município ficou sem uma área de lazer e cultura, que pudesse dar ao eunapolitano, um local específico para seus momentos culturais.

Com relação aos vários carros existentes nos fundos da área, estes pertencem à Secretaria de Segurança Pública, que pediu por empréstimo, o local para 3 meses e já tem 3 anos e meio, mas perguntado sobre o criadouro de mosquitos da dengue, zica e a chikungunya, Dr. Aldo asseverou que, os cuidados são extremos, o inseticida é jogado constantemente, as latarias são furadas para que não haja o acúmulo de água e, que tudo está sob controle rígido.

Pois bem, a reportagem do rota51.com, esteve fotografando a situação da estrada da Colônia, pois não adianta ficar falando asneiras, enchendo os ouvidos das pessoas com conversa fiada, e já que a prefeitura já pode realizar o tão sonhado asfaltamento da estrada da Colônia, que então faça e, não fique brincando com a crendice dos moradores da Colônia, principalmente os agricultores, que precisam da estrada para escoar suas produções, destacando o pequeno produtor rural que faz parte da agricultura familiar. O que se espera agora é a pavimentação da estrada da Colônia e, não promessas politiqueiras, visando eleger quem quer que seja, principalmente as candidaturas do próximo ano, onde o caixa 2, continuará sendo o principal captador de votos, a saber que a licitação a ser feita, deverá ter a presença do promotor Dr. Dinalmari, e se for necessário uma contestação, para saber se os valores praticados, serão tão honestos como os que o eunapolitano deseja.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui